Not Dead and Not For Sale

Se eu ainda pensasse que rockstars eram homens inatingíveis e inabaláveis, Not Dead and Not For Sale, a autobiografia de Scott Weiland, líder do Stone Temple Pilots e ex-vocalista do Velvet Revolver, teria acabado com a minha teoria. No livro, co-assinado por David Ritz, Scott se mostra tão simples e humano como qualquer um de nós e parece querer muito mais do que simplesmente contar sua trajetória no mundo da música: é como se ele procurasse por respostas para os seus próprios questionamentos e razões para perdoar a si mesmo por tantos erros cometidos ao longo dos anos. É possível dizer até que sua bem-sucedida carreira (apesar de subestimada) serve como pano de fundo para suas histórias de amor – com a música, as (poucas) mulheres e, por que não, com as drogas.

Capa dura com letras douradas e sobrecapa

O que mais estou gostando nessa brincadeira de ler biografias de cantores é que elas me ajudam a “desvendar” as músicas da banda em questão e, consequentemente, acabo amando-as mais ainda. No caso do Scott, consegui entender de onde veio a inspiração para tantas canções maravilhosas: da infância conturbada, das reflexões sem propósitos, das revoltas passageiras, do universo paralelo das drogas, das perdas irreparáveis, dos sentimentos incompreendidos, mas, principalmente, dos casos de amor mal-resolvidos e da mulher de sua vida, Mary Forsberg. Em outras palavras, ele foi capaz de transformar todas as suas frustrações e realizações em música. Algumas são perfeitas, a maioria é muito boa, outras são apenas boas e outras poucas, nem tanto. Mas todas têm aquele toque pessoal que, na minha opinião, é o principal ingrediente para canções memoráveis, que transpiram verdade.

Voltando ao livro, é fácil notar que escrever a autobiografia foi a maneira que Scott encontrou de exorcizar os seus demônios e (tentar) recomeçar do zero. Em Not Dead and Not For Sale, ele não tenta se justificar. Pelo contrário, assume todas as culpas que carrega e também se isenta daquelas que não acredita serem justas. Fala sobre os acontecimentos que marcaram sua vida e que, de alguma forma, guiaram sua história e também conta seus casos de amor e histórias inusitadas. Em resumo, o livro é um desabafo sincero. É denso e intenso ao mesmo tempo em que parece ser um bate-papo despretensioso com muitas doses de sarcasmo e senso de humor peculiar.

Da esquerda para a direita, de cima para baixo: fotos do casamento, journal of memories (sim, o que ele cita e que aparece em Fall to Pieces, do Velvet Revolver) e muitas fotos pessoais.

 Not Dead and Not For Sale me fez chorar como um bebê, de um jeito que nenhum outro livro já havia feito. Em partes, porque, como disse na resenha sobre a autobiografia de Anthony Kiedis, o que li naquelas páginas não era ficção. Elas aconteceram, são de verdade e fazem parte da história de alguém. Mas as maiores razões para tantas lágrimas foram a humildade e a sinceridade de Scott. A culpa, o remorso, a mágoa e o arrependimento, infelizmente, estão presentes em todo o livro e é triste pensar que também façam parte da vida do cantor. No entanto, ao final da obra, você se surpreende (e, no meu caso, se alivia) por saber que Scott acredita ainda ter muitas coisas para fazer nesse mundo. E isso me faz pensar que escrever essa autobiografia possibilitou que ele descobrisse muito mais do que as respostas que procurava: acho que encontrou a redenção ♥

“I am, I am, I said I’m not myself, but I’m not dead and I’m not for sale. Hold me closer, closer let me go. Let me be, just let me be” – de Trippin’ on a hole in a paper heart, Stone Temple Pilots

Título original: Not Dead and Not For Sale
Autor: Scott Weiland com David Ritz
Ano: 2011
Páginas: 288
Tempo de leitura: 4 dias
Avaliação: 5 estrelas

Mais livros aqui!

Advertisements

1 Comment

Filed under Livros

One response to “Not Dead and Not For Sale

  1. Aiiiiiiiiiiiiii…eu ameeeeei, e eu quero ver todas as fotos do livro depois! <3 E pelo o pouco que você me falou dele, é realmente emocionante ler uma biografia, ainda mais do Scott hahahahaha
    Adorei o texto Ná…podia ter escrito o dia todo que ia adorar ler hahahhaahaha

    Beeeeeijo

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s